A partir de 2015, as receitas das áreas de Educação e Saúde, relativas ao Fundo Constitucional, que até 2014 eram contabilizadas no Orçamento Geral da União, passaram a ser transferidas para o orçamento do Distrito Federal.